E agora para algo completamente…

cropped-cropped-20130807_173409-1-e1522499794645

Hoje podia escrever sobre o quão gosto do meu filho, tentar descrevê-lo mesmo sabendo da impossibilidade da tarefa. Podia também falar da aventura que tive com a minha sobrinha, e do bonito passeio que demos por um caminho sujo de alcatrão partido e carros constipados e barulhentos e sufocantes.

Podia escrever sobre as saudades que tenho da família que não tenho cá. Ou simplesmente escrever sobre a saudade.

Podia escrever sobre os meus amigos.

Podia escrever sobre o tempo, ou sobre o atraso do Verão e do calor.

Podia escrever sobre as pérolas pretas que são os olhos da minha mulher, e sobre como hoje, assim como no primeiro dia, estou inexoravelmente preso a elas.

Podia escrever e tentar descrever as coisas que me apoquentam, os sentimentos que me alentam, as divagações pseudointelectuais que me sustentam.

Podia falar sobre o mundial e o futebol que, no fundo no fundo, não nos interessam.

Podia escrever sobre a minha profissão e sobre os sustos que já apanhei; sobre a calma antes da tempestade e sobre a bonança. Ah! A bonança!

Podia escrever sobre a inconsequência na nossa existência. Ou sobre a loucura. Podia definitivamente escrever sobre a loucura.

Podia aprofundar ainda mais o teor filosófico do nosso caminho pela Terra e divagar sobre a metafísica ou sobre a espiritualidade que, a cada dia que passa, me parece mais real.

Podia escrever sobre escrever, e sobre como não escrever.

Podia escrever a cometer erros, para variar. Erros grosseiros, para espantar!

Podia escrever e falar e dizer e recordar um olhar que me falta há demasiados anos. Já o fiz uma ou três vezes e espalhei-me ao comprido, tolo de pensar que tudo tem descrição, e que a beleza de uma pessoa pode ser transcrita para uma folha de papel. Podia voltar às ondas que rebentam no oceano da memória.

Podia escrever sobre memórias.

Podia escrever sobre a série que estou a ver agora, que já devia ter visto, e da qual estou a gostar muito (vejo-a nos intervalos de olhar para as pérolas pretas, aquelas da minha mulher, que se senta a meu lado para também ver a série, de que ela também gosta).

Podia escrever sobre parênteses grandes e pequenos, e sobre o motivo de usar tantos parênteses, ou da sua importância num discurso bem conseguido.

Podia falar sobre o que significa um discurso ser bem conseguido, mas não conseguiria discursar sobre como chegar a fazê-lo como deve ser feito.

Podia escrever até me doerem os dedos, e os olhos.

Podia escrever sobre tanta coisa e fazê-lo, inclusivamente, de seguida. Tipo escrever a correr. A ver como corria.

Podia escrever sobre tudo e sobre nada, como tanto gostava de fazer, quando me davam laivos de pseudónimo.

Podia prosar poeticamente, mas acabei de o fazer e já não quero mais.

Podia escrever, mas hoje não me apetece.

 

Estou cansado.

 

Até para a semana!

One Reply to “E agora para algo completamente…”

  1. Imagina se te tivesse apetecido escrever. Neste longo texto escreveste sobre tudo e sobre, sobre a importância das pequenas e a relevancia das grandes coisas. Escreveste sobre pormenores muito importantes que apenas alguns dos teus amigos e a tua família mais próxima percebe. No fundo transmitiste uma linda mensagem que define a tua forma de estar e o modo de agradecer a todos ou apenas a alguns. Bem, não me vou alongar mais. Muito obrigado pelos teus escritos, mas essencialmente por seres o amigo que és. Grande abraço Rui

    Liked by 1 person

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s