Rua

fullsizeoutput_78

 

Canto na rua,

na rua que é feita de pedras e azulejos,

de pegadas e desejos;

é feita de aromas que não conheço.

Na rua tudo se constrói, nada se destrói.

Tudo se edifica, mas nada solidifica.

Na rua tudo desagua, tudo navega sem direcção.

Na rua onde há caminho e sinalização.

Onde os sonhos resvalam pelos ralos dos passeios,

na rua tudo se transforma em devaneios.

Nascem sentimentos que trazemos para a rua;

sensações que percorrem o céu a caminho da lua.

Da lua que ilumina os corredores mais insuspeitos

nas ruas que têm jardins repletos de amores-perfeitos.

Tenho pressa, quero chegar ao fim da rua,

quero existir lá, onde a rua é toda sua.

Quero chegar ao fim da rua e descansar.

Ao fim da rua que é rua, que nada mais sabe ser senão rua.

Rua! Rua! Rua! RUA!

Canto na rua.

Na rua que tem um canto sem encanto

onde eu espanto o meu pranto,

no canto da rua.

Este canto que é meu não está sujo. É branco.

E é tão branco! É branco, claro como este enfeite.

É branco franco como o branco do leite.

É o meu canto que é branco.

Imaculado, como o sentimento que tenho a meu lado.

No canto da rua onde canto o meu fado.

4 Replies to “Rua”

  1. Pois ….. O fim da rua é uma incógnita….
    Fez-me lembrar os tempos em que as crianças brincavam na rua em segurança e faziam amigos e ‘likes’ ‘reais’
    Infelizmente nessa linda rua da foto já não existem crianças… Virou-se tudo virtual

    Liked by 1 person

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s