A propósito do abraço

No dicionário Priberam da Língua Portuguesa, a palavra “abraço” é definida da seguinte forma: “Acto de abraçar, de apertar entre os braços, geralmente em demonstração de amor, gratidão, carinho, amizade, etc”.

Durante toda a minha vida usei e abusei de dicionários. Não sei porquê, mas na minha sempre ávida sede de saber, os dicionários têm sido fiéis amigos e raramente me têm desiludido. Depois de viver a história que em seguida relato, cheguei a casa e fui procurar uma palavra sobre a qual nunca me tinha debruçado, talvez por ser uma palavra simples e de fácil compreensão. Que enganado estava! A palavra “abraço” encerra em si tantos significados quanto as sensações que a sua efectivação pode provocar, ou certamente mais. A história que se segue é verídica e qualquer semelhança com a realidade não é, de todo, pura coincidência.

No outro dia fui ao café com o meu filho. Não o fazemos muitas vezes, mas de vez em quando lá lhe pergunto se ele quer e a resposta é, normalmente, afirmativa. Fomos de mão dada, como é costume, pois a estrada é perigosa e o pouco passeio que existe está cheio de carros, ou de cocó. Não me importo. Vou de mãos dadas com o meu filho. Chegados ao café, a primeira coisa que o meu filho faz é desatar a correr à procura da senhora do café, cuja cara lhe é já familiar, e a quem ele gosta muito de ir mostrar as sapatilhas novas. Estas (as sapatilhas), de novas já não têm grande coisa, mas não faz mal. É sempre engraçado vê-lo estender a pernoca e pedir à senhora do café que olhe para as sapatilhas. A senhora do café entra na brincadeira e pergunta sempre, com ar de espanto: São novas? Ao que o meu filho responde que sim, que foi o papá que comprou (mentira, foi a mamã, mas o papá não se importa com mentirinhas inocentes). Depois de mostradas as sapatilhas-não-tão-novas-assim-mas-não-faz-mal, o meu filho repara sempre na vitrina cheia de bonecos, daqueles que saem nos ovos de chocolate, sem nunca se esquecer de me chamar à atenção para o Super Mário que, lá ao fundo, espreita com a cabeça de fora de um cano de esgoto verde-alface. O café está pronto. Vamos para a esplanada para ele brincar enquanto eu beberico o café e ensaio uns sinais de fumo. Depois da brincadeira e da cafeína, pergunto-lhe se quer ir para casa e ele, mais uma vez, responde afirmativamente. Mas desta vez passou-se algo diferente. Ao entrarmos novamente no café, o meu filho saca de um “olá” gigantesco e desata a correr na direcção da senhora do café. Devo admitir que por uma fracção de segundo fiquei assustado, não sabendo ao certo como terminaria tamanha debandada. A senhora do café levantou-se e, de braços abertos, acolheu a investida do meu filho. Agora, o que tem esta situação de especial ou de relevante? Nada mais simples. Sou frequentador assíduo daquele café há já alguns anos e de todas as vezes que lá fui tomar a minha bica reparei que a senhora do café não sorri. Sempre foi simpática e prestável, mas sorrir parecia ser uma missão impossível. Ao ser abraçada pelo meu filho, esboçou um sorriso de tal forma sincero que me emocionou e me fez sorrir também. Além disso, também me deu que pensar: como é que uma coisa tão simples pode trazer tanta alegria, ainda que momentânea, à vida de uma pessoa? Eu não sou coscuvilheiro e nem sequer faço ideia do motivo da falta de alegria constante no semblante da senhora do café. Desconfio que terá a ver com o facto de ser imigrante, mas não sei. Seja como for, com um simples gesto, o meu filho cumpriu todas as definições que o dicionário tem para aquela palavra e, ainda que apenas por breves momentos, a senhora do café foi apertada pelos braços pequeninos do meu filho, numa demonstração de amor pelo próximo, num agradecimento por estar sempre pronta a demonstrar interesse pelas sapatilhas-não-tão-novas-assim-mas-não-faz-mal, num gesto de genuíno carinho que, certamente, fez despoletar uma nova amizade e, provavelmente, alguns eteceteras.

Um abraço.

One Reply to “A propósito do abraço”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s